Apnéia do sono: escala STOP-BANG

Atualizado: Fev 24

A Síndrome de Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS) é um problema de saúde grave. A hipóxia e fragmentação do sono que resultam da apnéia prejudicam muito a qualidade do sono com resultados desastrosos para a saúde aumentando a mortalidade e morbidade.


Apesar da gravidade e prevalência deste problema de saúde estima-se que 80 a 93% das pessoas com SAOS de nível moderado a grave não recebem o diagnóstico. Uma das barreiras é a necessidade da polissonografia, que ainda é o padrão-ouro. O seu custo e complexidade de realização são limitadores importantes de acesso.


Triagem e racionalização


A realização de uma adequada triagem de quais pacientes devem ser encaminhados para polissonografia aumenta a chance de diagnóstico e racionaliza o uso dos recursos reduzindo o número de exames desnecessários. Vários testes e escalas foram criadas e validadas para permitir a triagem de pacientes com suspeita de SAOS. Uma escala de fácil aplicação é a STOP-BANG, formada por 8 perguntas do tipo sim ou não que geram uma pontuação até 8 pontos classificando o paciente em níveis de risco de baixo a alto. Estudos de validação da escala demonstraram que estabelecendo um escore maior que 3 pontos a sensibilidade atinge 94% em populações clínicas com especificidade de 34%. Se utilizada junto a uma história clínica indicativa de apnéia este questionário pode ajudar na indicação da investigação por exame polissonográfico.


O acrônimo que nomeia o teste lembra sintomas e fatores de risco associados à SAOS:


  • S - snoring - o paciente apresenta ronco alto?

  • T - tiredness - ocorre sensação de cansaço e fadiga durante o dia?

  • O - observed apneia - já foi observada a ocorrência de apneia/interrupção da respiração durante o sono?

  • P - high blood pressure - o paciente está em tratamento para hipertensão arterial?


  • B - body mass index - o Índice de massa corporal é maior que 35 Kg/m2?

  • A - age - idade maior que 50 anos?

  • N - neck - a circunferência do pescoço é maior que 43 cm no homem e 41 cm na mulher?

  • G - gender - é paciente do sexo masculino?


Com a pontuação (1 ponto para cada resposta afirmativa) o paciente é classificado em 3 categorias:


  • 0 a 2 - risco baixo

  • 3 a 4 - risco intermediário

  • 5 a 8 - risco alto


A probabilidade de SAOS moderada/grave quando a pontuação passa de 0 a 2 pontos para o intervalo de 7 a 8 pontos aumenta de 4% para 38%.


O custo do não diagnóstico


A SAOS é uma condição grave de saúde mas pouco diagnosticada. Como a polissonografia é um recurso escasso e caro em muitos locais do país poucos pacientes recebem o correto diagnóstico permanecendo expostos a um risco alto de adoecimento, incapacidade e morte. A SAOS eleva os custos para os sistemas de saúde com aumento também da necessidade de hospitalização. A adequada triagem dos casos suspeitos através de um teste de rastreio como o STOP-BANG torna mais racional e efetiva a indicação da polissonografia


Como para todos os pilares do estilo de vida tudo começa com o entendimento que é necessário avaliar os hábitos de vida dos pacientes e considerá-los como essenciais para a boa saúde.


Faça o dever de casa, pergunte sobre o sono. Uma pergunta simples como “você ronca?” pode salvar muitas vidas.


0 comentário

Posts recentes

Ver tudo