• Mariana Salomão Daud

"As cinco linguagens do amor" de Gary Chapman - Resenha

Gary Chapman tem aconselhado casais ​​por mais de 30 anos e seu programa de rádio vai ao ar em mais de 100 estações. " As cinco linguagens do Amor" foi um best-seller do New York Times e vendeu mais de quatro milhões de cópias.


Aqui está uma estatística preocupante: 40% dos primeiros casamentos terminam em divórcio. Todos falam sobre a importância e a energia de se apaixonar, mas poucos têm as respostas para manter viva essa intimidade, paixão e união originais. Chapman explica o que chama de "cinco maneiras pelas quais as pessoas falam e entendem o amor emocional". O desafio no casamento é falar a principal linguagem do amor de seu cônjuge.


A primeira linguagem do amor é "palavras de afirmação". Elogios verbais, palavras de apreço, encorajamento constante: são ingredientes essenciais numa relação que se baseia na confiança e na gratidão mútuas. Se a linguagem do amor de seu cônjuge são palavras de afirmação, tente edificá-lo com a maior freqüência e da melhor forma possível.


A segunda linguagem do amor é "tempo de qualidade". Isso significa fazer algo juntos em que você dá ao seu cônjuge toda a atenção. Uma maneira que Chapman sugere fazer isso é estabelecer um tempo de compartilhar diariamente em que cada um de vocês falará sobre três coisas que aconteceram durante o dia e como você se sente a respeito delas.


Uma terceira linguagem do amor é " receber presentes". Se seu cônjuge adora surpresas, honre-as dando presentes, posses ou coisas que você criou. Alguns cônjuges que falam essa linguagem do amor ficam muito impressionados com o dom de sua presença física.


A quarta linguagem do amor é "atos de serviço". Essas expressões de amor podem variar de fazer pequenas coisas em casa até assumir a responsabilidade por projetos maiores - tarefas que exigem reflexão, planejamento, tempo, esforço e energia. Chapman sugere dar ao seu cônjuge um bilhete de amor acompanhado de um ato de serviço a cada três dias durante um mês.


A quinta e última linguagem do amor é o "toque físico". Aqui, beijos, abraços e mãos dadas, bem como relações sexuais, são expressões importantes de intimidade.


Chapman fecha com várias abordagens para descobrir sua linguagem do amor principal:


1. O que seu cônjuge faz ou deixa de fazer que o magoa mais profundamente? O oposto do que mais o magoa é provavelmente a sua linguagem do amor.


2. O que você pediu com mais frequência ao seu cônjuge? O que você pediu com mais frequência é provavelmente o que o faria se sentir mais amado.


3. De que maneira você expressa amor regularmente a seu cônjuge? Seu método de expressar amor pode ser uma indicação de que isso também o faria se sentir amado.


O amor é uma escolha e o amor faz a diferença, diz Chapman. Na prática nós conhecemos bem cada uma destas linguagens e até nos valemos delas em nosso dia a dia. Falando assim, parece até que trata-se de algo bem simples, e de fato o é. Entretanto, para que as linguagens do amor sejam bem empregadas e efetivas, é necessário manter-se sempre atento, observando os nossos relacionamentos.


E aí, gostou?

Quer saber mais sobre esse ou outros livros?

Se inscreva no nosso Clube do Livro é gratuito e emocionante!

0 comentário