• Luiz Carlos Oliveira Júnior

O poder da tribo

Atualizado: Fev 24

O trabalho na saúde é muito solitário. Mesmo quando trabalhamos em equipe não deixa de haver uma percepção de solidão. Cada um de nós, profissionais da saúde, estamos ali no cuidado com o paciente sozinhos em nossas expectativas e desafios. É uma realidade da qual não conseguimos fugir: quando estamos com nossos pacientes estamos ali sozinhos.


Mas a “Medicina do Estilo de Vida” tem uma cara diferente. Foi esse o aspecto que mais me chamou a atenção na “MEV”. Estou colocando entre aspas porque não estou falando da abordagem de saúde, estou falando da MEV enquanto grupo de pessoas, a “comunidade da MEV”. Experimentei isso no primeiro Congresso Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida promovido pelo CBMEV em novembro de 2018. O que eu vi ali nos dias do encontro não foi uma reunião científica convencional. Vi um grupo de profissionais com um espírito comum, uma necessidade de fazer diferente a saúde. Era claramente um movimento comum de resgate da profissão de cuidar. Todos, sem exceção, falavam da necessidade de buscar um renascimento da prática. Ali eu vi que a MEV tinha chegado para cumprir um papel que era muito maior que “reduzir as doenças crônicas não transmissíveis”. A MEV veio para unir uma comunidade.


Conexões sociais


As conexões sociais são um dos pilares do bem estar e do florescimento. Nós precisamos de estar unidos. Dependemos de boas relações para nos desenvolver e prosperar como seres humanos. A percepção de isolamento social é tóxica, estressante, inflamatória e mata. Essa sensação tóxica de isolamento é um dos fatores associados ao adoecimento psicológico dos profissionais da saúde contribuindo para o burnout e exaustão da compaixão. É um trabalho muito exigente emocionalmente, intelectualmente e fisicamente. Se nos percebemos sozinhos no barco a sensação é de muito desamparo.


Por isso investir em uma comunidade de suporte é tão importante. E não só para a saúde mental. Também é importante para o aprendizado e desenvolvimento profissional. Um conceito chamado “comunidades de prática” foi desenvolvido a partir da Teoria Social da Aprendizagem por Etienne Wenger e Jean Lave desde 1991. As comunidades de prática são grupos de pessoas que se unem em torno de uma necessidade de desenvolvimento comum. Nas comunidades de prática e aprendizado as pessoas falam do significado do que fazem, do porque e como fazem. Isso potencializa o ganho de experiência enormemente. Imagine a riqueza de saberes que um grupo de pessoas motivado por uma causa comum é capaz de reunir e disseminar. Não por acaso que um termo muito utilizado quando se fala de comunidades de prática é “capital intelectual”.


As comunidades são também uma ferramenta de criação de uma identidade. Nelas nós podemos nos reconhecer ou não. Expressamos nossa identidade e a modificamos na interação com os outros. À medida em que falamos sobre nossa prática, saberes e fazeres, fazemos um processo de reconstrução da nossa imagem. A comunidade nos faz descobrir e revelar nossos potenciais. Ela nos provoca. É assim desde o início da nossa história quando vivíamos em tribos.


A MEV nos últimos anos tem reescrito minha história. Desde que comecei esse caminho me tornei uma outra pessoa. Eu vejo claramente o poder que a comunidade de prática da Medicina do Estilo de Vida tem exercido sobre quem eu sou. E vejo também o que ela faz com as outras pessoas que estão nela também. A MEV, gosto de repetir, é apaixonante e desafiadora. Porque? Não sei bem mas suspeito que seja a comunidade que a faz assim. É o poder da tribo!


É famosa a frase de Nelson Mandela de que


a educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”.

E a ferramenta mais poderosa para mudar a educação é a comunidade de aprendizado e prática. No MEVBrasil nós acreditamos que a comunidade é o meio mais importante para facilitar o aprendizado. Acreditamos que esse é o caminho da revolução que queremos ver na saúde. É construindo e mantendo uma comunidade viva de aprendizado que vamos mudar o rumo das coisas. Nesta comunidade podemos experimentar o poder do conhecimento e descobrir como transformar a ciência em soluções reais.


Toda tribo tem um grito de guerra. O nosso é “MEV-SE!”


0 comentário