“Por que algumas pessoas são mais bem sucedidas em mudar o estilo de vida que outras?”

É bem conhecido o fato de que mudar o estilo de vida previne doenças crônicas não transmissíveis como diabetes e doenças do coração . Em um cenário de aumento da prevalência dessas doenças conseguir que pacientes alcancem a mudança significa redução de mortalidade, morbidade e de custos diretos e indiretos para os sistemas de saúde e nações.


Mas mudar o estilo de vida não é fácil!


Algumas pessoas conseguem e outras não. Qual a razão?


Esse é um dos grandes mistérios da psicologia da saúde.


No artigo Why are some people more successful atlifestyle change than others? Factors associated with successful weight loss in the BeWEL randomised controlled trial of adults at risk of colorectal cancer” de Stead et al, os autores tentam encontrar pistas que respondam a essa pergunta.


O estudo BeWEL foi um estudo clínico controlado e randomizado que avaliou a intervenção de estilo de vida, dieta e atividade física para redução do peso corporal, oferecida após exame de detecção de câncer colorretal já que obesidade é um fator de risco para essa doença.


Os pesquisadores observaram uma importante variedade de respostas entre os pacientes do grupo de intervenção após 12 meses de acompanhamento. Alguns participantes perderam peso de forma significativa (mais de 7% do peso corporal – em média 11%). Outros tiveram uma redução menor (menos de 2%). Isso os motivou a avaliar os fatores individuais relacionados ao desempenho no programa de mudança do estilo de vida.


O que encontraram? O que explica a diferença entre os pacientes com melhor desempenho na mudança de estilo de vida em relação aos com menor desempenho?

Os pacientes com melhor desempenho tiveram durante o estudo um aumento no número de passos diários enquanto os demais tiveram queda. Além disso aumentaram o consumo de frutas e verduras.


Curiosamente, do ponto de vista psicológico, eles não apresentavam diferença quanto às crenças de auto-eficácia, que é considerado um dos fatores responsáveis por mudanças no estilo de vida. Mas uma crença em particular se mostrou diferente entre os participantes de melhor desempenho: a consciência de que sua dieta era danosa à saúde.


Além disso os participantes com maior sucesso tiveram mais flexibilidade psicológica durante a intervenção, permitindo-se falhas durante o processo e não se sentindo desmoralizados com os períodos de estagnação na perda de peso. Eles também procuravam não dispender excessivo esforço em mudanças com as quais não tinham comprometimento verdadeiro.


Essas diferenças comportamentais e psicológicas dão importantes pistas que podem ser úteis para profissionais de saúde que trabalham com intervenção no estilo de vida.


Os autores concluíram com algumas observações que consideram importantes para os profissionais que trabalham com mudança comportamental para melhora do estilo de vida:


  • A experiência de um resultado inicial serve como encorajador para o pacientes.

  • É importante ajudar o paciente a fazer alterações simples e que sejam facilmente incorporadas às sua rotina.

  • É importante encorajar o estilo de pensamento flexível que entende a recaída como parte do processo.

  • Ajudar os pacientes a identificar suas experiências prévias de sucesso para que se sintam capazes de mudar.


Mudar não é fácil! Mas aprender com aqueles que tiveram sucesso pode ajudar a desenvolver modelos mais eficazes de intervenção e reduzir a chance de fracasso.


Para ver o artigo na integra acesse:


STEAD, Martine; CRAIGIE, Angela M.; MACLEOD, Maureen; et al. Why are some people more successful at lifestyle change than others? Factors associated with successful weight loss in the BeWEL randomised controlled trial of adults at risk of colorectal cancer. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, v. 12, n. 1, 2015.

0 comentário